Clique e conheça o blog do autor

Clique e conheça o blog do autor
Clique e conheça o blog do autor

sábado, 9 de abril de 2016

"Liberdade, Liberdade": A herdeira de Tiradentes que revolucionou o Brasil


Uma viagem aos tempos da Inconfidência Mineira e de outros movimentos revolucionários que culminaram com a independência do Brasil. Esse é o pano de fundo da nova novela das 23h da Globo, “Liberdade, Liberdade”, escrita por Mário Teixeira, que estreia nesta segunda-feira (11).
A trama gira em torno da protagonista Rosa (Andreia Horta), uma garota que vive acostumada com o luxo da Coroa Portuguesa, em Lisboa, e que se depara com uma realidade quase esquecida por ela no Brasil há muitos anos. Suas lembranças dos últimos dias no país trazem a triste imagem do enforcamento de seu pai Tiradentes (Thiago Lacerda), considerada por ela um herói sonhador.
Vinte anos após abandonar o Brasil, Rosa volta e relembra seu passado e seu verdadeiro nome: Joaquina, uma mulher que carrega em seu sangue a luta pela revolução de um país.
Ficha técnica

Escrita por Mário Teixeira e baseada em argumento de Márcia Prates
Inspirada no livro "Joaquina, Filha do Tiradentes", de Maria José de Queiroz
Colaboração de Sérgio Marques e Tarcísio Lara Puiati
Direção artística de Vinícius Coimbra
Estreia: 11/04
Faixa: 23h
Antecessora: “Verdades Secretas” de Walcyr Carrasco

Elenco

Andreia Horta – Joaquina ou Rosa

Bruce Gomlevsky – Malveiro
Bruno Ferrari – Xavier
BukassaKabengele – Omar
Caio Blat – André
Chris Couto - Luzia
Dalton Vigh – Raposo
Dani Ornellas – Jacinta
David Junior – Saviano
Gabriel Palhares – Caju
Genézio de Barros – Diogo Farto
Hanna Romanazzi – Gironda
Heloísa Jorge – Luanda
Jairo Mattos – Caldeira
Joana Solnado – Anita
Ju Colombo – Esméria
Juliana Carneiro da Cunha – Alexandra
Letícia Isnard – Simoa
Letícia Sabatella – Dona Antônia
Lília Cabral – Virgínia
Maitê Proença – Dionísia
Marco Ricca – Mão de Luva
Marcos Oliveira – Padre Vizeu
Mariana Nunes – Blandina
Mário Borges – Matias
Mateus Solano – José Maria Rubião
Mel Maia – Joaquina ou Rosa (criança)
Nathália Dill – Branca
Nikolas Antunes – Simão
Olívia Araújo – Celeste
Ricardo Pereira – Tolentino
Rita Clemente – Brites
Romulo Estrella – Gaspar
Sheron Menezzes – Bertoleza
Thiago Lacerda – Tiradentes
Vitor Thiré – Ventura
Yanna Lavigne – Mimi
Yasmin Gomlevsky – Vidinha
Zezé Polessa – Ascensão

A Vila Rica de 1972

A pequena Joaquina (Mel Maia) cresceu em uma casa cuidada pelos pais Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes (Thiago Lacerda), que se tornaria o mártir da Inconfidência Mineira, e Antônia (Letícia Sabatella).

Ainda nova, levava uma vida difícil na cidade de Vila Rica, onde sua mãe conseguia garantir o sustento da família com o ofício de arrancar os dentes das pessoas, profissão que aprendeu com seu marido. A garota herdou um dos ensinamentos do pai: o de que todos os homens e mulheres devem ser livres.

Na época, Tiradentes queria livrar o Brasil dos desmandos do governo português. Os encontros dele com os rebeldes aconteciam no cabaré de Virgínia (Lília Cabral), que também era adepta do movimento. Certo dia, seu amigo de luta José Maria Rubião (Mateus Solano) alertou Tiradentes sobre a decisão da Coroa Portuguesa de acabar com a conspiração. O companheiro de luta sugere a Tiradentes que ele fuja para outro lugar, mas já era tarde mais. Em uma reunião no cabaré, eles são surpreendidos pelo capitão Tolentino (Ricardo Pereira), que leva Tiradentes e Rubião presos.

O enforcamento

Durante os testemunhos, Rubião acaba obrigado a revelar quem é o líder do movimento. Assim, Tolentino descobre a informação e condena Tiradentes por traição. Enquanto Tiradentes ainda está preso, Joaquina e Antônia seguem para a casa de Diogo Farto (Genézio de Barros), um simpatizante do movimento. Lá, Diogo informa a Antônia que a pena por traição é a morte. Joaquina ouve a conversa escondida e resolve fugir.

A garota entra em uma carroça e vai parar no Rio de Janeiro. Lá, ela consegue entrar no cárcere de seu pai, deixando Tiradentes desesperado. Ele diz à filha que a ama, explica que ela está correndo perigo se ficar ali e a convence de sair do recinto. Espremida entre a multidão, a menina é protegida no local por Raposo (Dalton Vigh), um minerador simpatizante da causa dos inconfidentes. No entanto, ele não consegue evitar que a menina assista à terrível execução do pai.

Traidor

Rubião acredita ter tomado a decisão certa para salvar sua vida. Para conseguir sobreviver, ele resolve ceder e se torna fiel à Coroa Portuguesa. Ao voltar à Vila Rica, ele procura Antônia para resgatar um saco de moedas de ouro que deveria ser entregue a Tiradentes. Mas, ao chegar à casa da viúva de seu amigo, ele descobre que o valor sumiu. Sem acreditar na versão dela, ele acaba assassinando a mulher.

Um novo pai para Joaquina

Raposo chega à casa de Antônia e a encontra agonizando. Em seus últimos suspiros, ela pede ao homem que cuide de sua filha. Raposo foi até a casa dela atrás de Joaquina. Logo depois da execução de Tiradentes, a pequena foi sequestrada por Mão de Luva (Marco Ricca), que viu na filha de Tiradentes a possibilidade de conseguir dinheiro.

Ao sair de lá, Raposo consegue resgatar Joaquina do bando de Mão de Luva. Com ajuda da dona do cabaré, eles conseguem fugir para Portugal. Durante a travessia de barco, Joaquina chama por sua mãe. Sem saída, ele conta a verdade para a menina e resolve assumi-la como filha.

Em Lisboa

Joaquina é criada em Lisboa com o nome de Rosa, para evitar qualquer suspeita. Agora adulta, Rosa (Andreia Horta) cresceu como uma jovem corajosa e impetuosa, sempre aos olhos do pai adotivo Raposo. Para cuidar da menina, ele optou por abandonar o movimento inconfidente após muitas tragédias.

Durante um treino de esgrima, esporte que a família pratica, André (Caio Blat), filho de Raposo, entra no salão e avisa que a corte portuguesa resolveu fugir para o Brasil após as investidas de Napoleão Bonaparte. Em Portugal, Raposo tornou-se um nobre da corte e deve tudo o que conquistou à Coroa Portuguesa. Com a decisão da administração lusitana de fugir para o Brasil, Raposo resolve acompanhá-los. É hora de Rosa retornar ao seu país de origem. Assim, embarcam para a colônia portuguesa, Raposo, Rosa, André e Bertoleza (Sheron Menezes), negra alforriada criada por Raposo como filha.

Volta ao Brasil

Ao desembarcarem no Rio de Janeiro, a família de Raposo, mesmo cansada e abatida da viagem, resolve ir rapidamente para Vila Rica. Na estrada, Rosa reencontra velhos conhecidos, como Mão de Luva. Alertado por seus comparsas, o vilão resolve abordar a família. Raposo confronta o bandido, enquanto seus filhos estão acuados na carruagem.


O braço-forte de Mão de Luva, Simão (Nikolas Antunes), reconhece Raposo e o cerca. Ao ver o pai em uma difícil situação, Rosa sai da carruagem e entra na discussão. Ao olhar para a moça, Mão de Luva a reconhece e tem certeza de que ela é Joaquina, a filha de Tiradentes. A família consegue escapar de seu bando, mas Raposo teme que o bandido possa perseguir sua filha.

O retorno à Vila Rica

Próximo à entrada de Vila Rica, Raposo enfrenta mais problemas. Sua carruagem quebra, ao colidir com uma liteira, a poucos quilômetros de sua antiga chácara, cuidada a mãos de ferro por sua irmã Dionísia (Maitê Proença). Xavier (Bruno Ferrari) vê o acidente e corre para ajudá-los. Ao ver Rosa, o rapaz fica encantado por sua beleza.

Após estudar Medicina em Portugal, Xavier retornou ao Brasil para rever seus pais e a noiva Branca (Nathalia Dill), que o espera há seis anos. O acidente foi causado pela liteira que carregava Branca. Irritada com o acidente, a jovem se envolve em um bate-boca com Raposo, discussão interrompida apenas quando ela se depara com o amado Xavier. Porém, o tão esperado momento seria frustrante para ela, pois Branca percebe que seu noivo dividia o olhar entre ela e Rosa.

Seu passado escancarado

Devido ao acidente, Raposo, André, Bertoleza e Rosa são levados para a casa do Intendente Rubião, que não reconhece em Rosa a filha de Tiradentes. Durante o jantar, a jovem começa a criticar a situação do Brasil, como os maus tratos sofridos pela população e os abusos da corte e chega a afirmar que um dia aquele povo se rebelaria contra Portugal.

Ela é advertida por Rubião, que conta a jovem que o último movimento revolucionário acabou com seu principal conspirador enforcado. Ao ouvir a história, Joaquina engole seco e se cala, seguindo as recomendações do pai, que teme que ela seja perseguida por sua verdadeira origem.

Assustada e consciente do perigo, Rosa resolve fugir pelas vielas de Vila Rica e se depara com um homem que apanha de outros três. Impulsiva, ela saca sua arma e aponta para a cabeça de um dos agressores, conseguindo afastar os arruaceiros. Por ironia do destino, o rapaz que ela salvou era Xavier, que ajudou sua família após o acidente com a carruagem em que estavam. O rapaz, que também sonha com a independência do país, se envolveu em uma briga ao sair de uma taverna, após exagerar com a bebida.

Amor improvável

Ao retornar para a casa, a garota enfrenta dificuldades para dormir, pois sofre com os pesadelos de tudo que viveu no Brasil ainda criança. Na varanda, o intendente Rubião pede para que ela tome cuidado com suas atitudes. Galanteador, ele tenta conquistá-la. E a moça também se encanta por Rubião. Começa ali uma relação amorosa improvável entre a filha de Tiradentes e o traidor de seu pai e assassino de sua mãe.

Discussão em família

Com o amanhecer, a família finalmente se dirige à chácara de Raposo e reencontra Dionísia, que não consegue esconder a felicidade de rever o irmão e os sobrinhos. Mas o clima de afeto é logo interrompido, quando Rosa vê os escravos da chácara sendo castigados por Malveiro (Bruce Gomlevsky), por ordem de Dionísia. O clima entre tia e sobrinha azeda. As duas discutem e Rosa pede para que Dionísia liberte os escravos. Respeitada por ser uma mulher elegante e de bons valores, Dionísia não cede aos apelos de Rosa e não gosta de ser questionada por ela.

Para decepção da garota, Raposo defende a irmã e ordena que a filha se desculpe. Mesmo sabendo que ele se aliou à Coroa para protegê-la, Rosa não esperava ver seu pai aprovar atitudes como aquela. Sem saída, ela se desculpa com a tia e tenta se acostumar com as tradições do país.

Nasce uma revolucionária

Passado algum tempo, Rosa, ao caminhar pelas ruas de Vila Rica, conhece Virgínia. A dona do cabaré logo percebe nos olhos daquela bela mulher a sede de justiça da pequena Joaquina.


Passados mais de 20 anos, Virgínia ainda mantém o cabaré na cidade para entreter os homens do local com suas jovens, dentre elas Mimi (Yanna Lavigne), Vidinha (Yasmin Gomlevsky) e Gironda (Hanna Romanazzi). Assim como no passado, o estabelecimento ainda é conhecido com um ponto de encontro entre os rebeldes. E com a morte de Tiradentes, Virgínia tornou-se uma das principais líderes da causa.

Ao reencontrar Joaquina, Virgínia retoma a esperança da luta pela independência do Brasil, pois sabe que Rosa tem o mesmo sangue de seu amigo, que sonhava com a liberdade e a igualdade do povo e foi executado cruelmente. Por isso, ela resolve trazer a moça para o movimento. E Virgínia acerta na mosca. Joaquina conseguirá revolucionar não só o Brasil, como a si mesma.

Autor e diretor

“Liberdade, Liberdade” marca a estreia de Mário Teixeira como autor-solo de novelas. Seu primeiro trabalho de destaque na TV foi como roteirista do clássico infantil “Castelo Rá Tim Bum”, da TV Cultura, em 1994. Dois anos depois, foi coautor da novela “Os Ossos do Barão” no SBT.

Já na Globo, integrou a equipe de autores das novelas “O Cravo e a Rosa” (2000) e “Ciranda de Pedra” (2008) e foi roteirista do infantil “Sítio do Pica-pau Amarelo” entre 2001 e 2007. Após colaborar com o texto de “Passione” (2010), de Silvio de Abreu, Teixeira assinou em 2015 a autoria de “I Love Paraisópolis” em parceria com Alcides Nogueira.

Outra novidade em “Liberdade, Liberdade” é a estreia de Vinícius Coimbra na direção artística de uma novela da Globo. Após se destacar como assistente de direção do filme “Central do Brasil” em 1998, Coimbra ingressou na emissora carioca e integrou as equipes de direção de “Sabor da Paixão”, “Celebridade”, “JK” e “Queridos Amigos”.

A partir de 2011, passou a responder pela direção geral de folhetins como “Insensato Coração” e “Lado a Lado”, junto com Dennis Carvalho. O diretor também conduziu os trabalhos da temporada 2013 de “Malhação” e da minissérie “Ligações Perigosas” (2016).


Fonte: Na telinha

Nenhum comentário:

Postar um comentário